Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
NOTÍCIAS
Concursos
Copa do Mundo 2010
Política
Reportagem Especial
Policial
Regional
Estadual
Nacional
O Mundo
Economia
Educação
Meio Ambiente
Saúde
Esporte
Local
CANAIS
Alto Astral
Turismo
Reflexão
Dicas e Truques
Editais
Artigos
Parábola
Telefones Úteis
Eventos
Horóscopo
Culinária
Poesias
Piadas
Aniversariantes
Contas Públicas
LINK'S
Micks Informática
Vilson Nunes
Farol da Cidade
Joaquim José Show
Folha do Vale
Sudoeste Bahia
Blog Tiago Marques
Pref. de Guanambi
Alô Cidade
Lobo Mau
Blog do Latinha
Caetfest
Iguanambi
Twitter Trib.Popular
Face Tribuna Popular
REDEINTERSOFT.COM
a-Bahia.com
Portal Pindai
Portal Montes Claros
 
a a a
 
Ceará: Carvão ecológico é alternativa no semiárido
 
Terça, 23 de Fevereiro de 2010  
 

Aliar atividade produtiva com preservação ambiental é um desafio colocado para muitos gestores

Em Tejuçuoca cidade da região Norte Cearense o carvão vegetal tradicional produzido, em alguns casos, de forma clandestina e utilizando mão-de-obra escrava ou infantil, está ganhando um concorrente de peso. É que, na Fazenda Caiçara, localizada neste município, está surgindo a primeira unidade de fabricação de carvão ecológico do Norte e Nordeste. Ou seja, a confecção de tabletes prensados onde os resíduos de carvão de churrascaria, caieiras, casca de coco e outros tipos de fibras são triturados. O material recebe um aglutinante à base de fécula de mandioca, depois é prensado e colocado para secar, tornando-se tabletes, que foram denominados de briquetes de carvão.


O briquete de carvão vegetal, considerado correto e 100% natural, já consolidado no mercado europeu e norte americano, começa a disputar espaço nas prateleiras de algumas redes de supermercados e postos de gasolina do Ceará. Além da questão ambiental, o briquete promete rendimento maior e tem um outro aliado: o preço competitivo.

De acordo com o proprietário da fábrica, Francisco Lopes da Silva, o carvão vegetal é feito de argila, cinzas e um sub-produto da mandioca. Não faz fumaça e queima mais rápido e, o mais importante, preserva a natureza e dá vida ao meio ambiente.

Selo de qualidade

O secretário de Cultura e Empreendedorismo de Tejuçuoca, Joaquim Coelho Neto, disse que a ideia é sensacional e que o município já luta pelo selo de qualidade ambiental. "A questão ambiental, efeito estufa, futuro do planeta são temas que preocupam ambientalistas e governantes, no qual o desmatamento desordenado entra como um dos fatores mais preocupantes, tendo na indústria do carvão vegetal um vilão, tanto na degradação do meio ambiente como também nas condições de trabalho a que são submetidos aqueles que necessitam sobreviver dessa atividade", exemplifica o secretário.

A ideia na região tornou-se pioneira e muitos agricultores estão passando por capacitação afim de fazer parte do grupo de ambientalistas que lutam para salvar a flora de Tejuçuoca. Um projeto criado pelo prefeito da cidade, Edilardo Eufrásio, e com a participação da Secretaria de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente, denominado de "Coração Verde", ajuda na conscientização dos trabalhadores do campo para não desmatar para produzir carvão.

Premiação

O presidente da Câmara Municipal, Valmar Bernardo, disse que irá apresentar Projeto de Lei no sentido de premiar aquelas pessoas que ajudem na preservação do meio ambiente. "Caminhamos juntos no sentido de mudar a consciência da população para não agredir a natureza", frisou o parlamentar.

Na visão do prefeito Edilardo, o carvão ecológico será, sem dúvida, a grande saída para evitar os crimes ambientais. "Em Tejuçuoca já existe essa consciência de que a produção de carvão é um problema ambiental. Diferente do que pensam os ambientalistas, devemos reconhecer que existe o fator sobrevivência, onde várias famílias dependem dessa atividade. Ninguém faz carvão porque ama a profissão. Para quem conhece, é um trabalho insalubre e de difícil execução", diz o prefeito.

Para o gestor municipal, a solução é acabar, definitivamente, com a produção de carvão vegetal. Para isso, é preciso dar alternativa de trabalho para as famílias sertanejas, bem como apoiar as iniciativas privadas para instalação de novas fábricas na região semiárida.

SEM POLUIÇÃO

Produto garante economia de matéria-prima

Tejuçuoca Pelo método tradicional, são necessários dois metros cúbicos de madeira para produzir um metro cúbico de carvão. Com a nova tecnologia do carvão ecológico, não é preciso utilizar a madeira e usa-se menos mão-de-obra, além de não ser poluente. Quatro quilos de briquete equivalem a dez quilos de carvão comum. O preço também é atrativo: entre R$ 7 e R$ 8 o pacote de quatro quilos.

O carvão ecológico é um produto fabricado com resíduos de carvão e aglutinante natural. Excelente para uso em churrasqueiras, fornos de pizzaria e de panificação. Substitui com eficiência a lenha e o carvão vegetal. Possui as seguintes vantagens: alto poder calorífico (maior que a lenha e do carvão vegetal); alta temperatura de combustão; não produz labareda (não queima a carne); queima por mais tempo mantendo uniforme a temperatura do forno ou da churrasqueira em regularidade térmica; queima sem emitir fumaça nem odores desagradáveis; produto higiênico, não suja as mãos nem o ambiente de trabalho; fácil manuseio com menor espaço de estocagem; vem com acendedor; 100% ecológico, não emitindo gases tóxicos como nos fornos de barros tradicionais.

O acendimento é muito simples, bastando fazer uma pequena pilha em forma de pirâmide, posicionando-se o acendedor no meio dos briquetes. Com um fósforo, fazer o acendimento e deixar a pilha sem mexer até que todos os briquetes estejam em brasa, o que deve acontecer em no máximo 15 minutos.

Ao contrário do carvão, não há necessidade de mexer ou abanar durante esse tempo. Basta esperar a formação das brasas e espalhar os briquetes acesos em uma camada uniforme e começar a assar o churrasco.

Quando usado em fornos de pizzaria ou de panificação, não há necessidade de retirar os briquetes de dentro da embalagem, sendo necessário somente posicionar o acendedor no meio dos briquetes e colocar fogo.

A partir daí, na medida da necessidade, é só alimentar o fogo com as embalagens sem precisar abrir.

MAIS INFORMAÇÕES

Associação dos Moradores de Caiçara - (85) 9606.5241

Secretaria de Cultura e Empreendedorismo de Tejuçuoca - (88) 3323.1156

 

 

Diario do Nordeste


 
 
Untitled Document
 Deixar um comentário
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
Fones: (77) 9 9962-1243 e 9 8827-5702
Editora Tribuna Popular LTDA - Avenida Presidente Castelo Branco, 96, Centro, Guanambi-Ba.