Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
NOTÍCIAS
Concursos
Copa do Mundo 2010
Política
Reportagem Especial
Policial
Regional
Estadual
Nacional
O Mundo
Economia
Educação
Meio Ambiente
Saúde
Esporte
Local
CANAIS
Alto Astral
Turismo
Reflexão
Dicas e Truques
Editais
Artigos
Parábola
Telefones Úteis
Eventos
Horóscopo
Culinária
Poesias
Piadas
Aniversariantes
Contas Públicas
LINK'S
Micks Informática
Vilson Nunes
Farol da Cidade
Joaquim José Show
Folha do Vale
Sudoeste Bahia
Blog Tiago Marques
Pref. de Guanambi
Alô Cidade
Lobo Mau
Blog do Latinha
Caetfest
Iguanambi
Twitter Trib.Popular
Face Tribuna Popular
REDEINTERSOFT.COM
a-Bahia.com
Portal Pindai
Portal Montes Claros
 
a a a
 
Carnaval 2010: É festa, é folia, é alegria!
 
Terça, 09 de Fevereiro de 2010  
 

Todo país já vive o clima do carnaval, considerado uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo, ocasião em que as classes sociais e étnicas se misturam e vão para os clubes e avenidas com um só objetivo – Diversão com muita música e alegria.

O moderno carnaval tem sua origem no “Entrudo português”, onde, no passado, as pessoas jogavam uma nas outras, água, ovos e farinha. O entrudo acontecia num período anterior a quaresma e, portanto, tinha um significado ligado à liberdade. Este sentido permanece no carnaval até os dias de hoje.

O entrudo chegou ao Brasil por volta do século XVII e foi influenciado pelas festas carnavalescas que aconteciam na Europa. Em países como Itália e França, o carnaval ocorria em formas de desfiles urbanos, onde os carnavalescos usavam máscaras e fantasias. Personagens como a colombina, o pierrô e o Rei Momo também foram incorporados ao carnaval brasileiro, embora sejam de origem européia.

No Brasil, no final do século XIX, começam a aparecer os primeiros blocos carnavalescos, cordões e os famosos "corsos". Estes últimos tornaram-se mais populares no começo dos séculos XX. As pessoas se fantasiavam, decoravam seus carros e, em grupos, desfilavam pelas ruas das cidades. Está ai a origem dos carros alegóricos, típicos das escolas de samba atuais.

No decorrer do século passado, o carnaval foi crescendo e tornando-se cada vez mais uma festa popular, já contando com a ajuda das marchinhas carnavalescas, que deixavam a festa muito mais animada.

Escolas de samba - A primeira escola de samba, Deixa Falar, surgiu no Rio de Janeiro em 18 de agosto de 1928, fundada por Nilton Bastos, Ismael Silva, Silvio Fernandes, Oswaldo Vasques, Edgar, Julinho, Aurélio, entre outros, tendo com cores oficiais o vermelho e branco, estreando no carnaval carioca do no ano seguinte.

O termo “escola de samba” foi usado devido a existência de uma Escola Normal no bairro do Estácio, que funcionava próximo de onde aconteciam os ensaios da Deixa Falar.

A Deixa Falar (mais tarde denominada de Escola de Samba Estácio de Sá), fez muito sucesso entre os moradores da região, estimulando a criação, nos anos seguintes, de outras agremiações como, Cada Ano Sai Melhor, Estação Primeira (Mangueira), Vai como Pode (Portela), Vizinha Faladeira e Para o Ano sai Melhor.

As primeiras escolas de samba, no princípio, não possuíam toda estrutura e organização como nos dias de hoje. Eram organizadas de forma simples, com poucos integrantes e pequenos carros alegóricos. A competição entre elas não era o mais importante, mas sim a alegria e a diversão.

Rei Momo – É um personagem da mitologia grega que se tornou um símbolo do Carnaval. E é filho do sono e da noite, e acabou expulso do Olimpo (morada dos deuses), porque tinha como diversão ridicularizar as outras divindades.
 


Rio de Janeiro – Escolas vencedoras nos últimos carnavais


1998 - Mangueira e Beija-Flor
1999 - Imperatriz Leopoldinese
2000 - Imperatriz Leopoldinese
2001 - Imperatriz Leopoldinese
2002 - Mangueira
2003 - Beija-Flor
2004 - Beija Flor
2005 - Beija-Flor
2006 - Unidos de Vila Isabel
2007 - Beija-Flor
2008 - Beija-Flor
2009 - Acadêmicos do Salgueiro
 
 

São Paulo - Escolas vencedoras nos últimos carnavais


1998 - Vai-Vai
1999 - Vai-Vai, Gaviões da Fiel
2000 - Vai-Vai, X-9 Paulistana
2001 - Vai-Vai, Nenê de Vila Matilde
2002 - Gaviões da Fiel
2003 - Gaviões da Fiel
2004 - Mocidade Alegre
2005 - Império de Casa Verde
2006 - Império de Casa Verde
2007 - Mocidade Alegre
2008 - Vai-Vai
2009 - Mocidade Alegre


Desfile das escolas de samba 2010 


Rio de Janeiro


14 de fevereiro de 2010 (domingo)
Local: Marquês de Sapucaí
Horário: a partir das 21 horas
 
União da Ilha - Samba-Enredo: “Dom Quixote de La Mancha, o cavaleiro dos sonhos impossíveis”.

Imperatriz Leopoldinense - Samba-Enredo: “Brasil de todos os deuses”.

Unidos da Tijuca - Samba-Enredo: “É segredo!”

Unidos do Viradouro - Samba-Enredo: “México, o paraíso das cores, sob o signo do sol ”.

Acadêmicos do Salgueiro - Samba-Enredo: “ Histórias sem fim”.

Beija-Flor - Samba-Enredo: “Brilhante ao sol do novo mundo, Brasilia do sonho à realidade, a capital da esperança”.
 
 
15 de fevereiro de 2010 (segunda-feira)
Local: Marquês de Sapucaí
Horário: a partir das 21 horas
 
 
Mocidade Alegre de Padre Miguel - Samba-Enredo: “Do paraíso de Deus ao paraíso da Loucura, cada um sabe o que procura”.

Porto da Pedra - Samba-Enredo: “Com que roupa... eu vou? Pro samba que você me convidou”.

Portela - Samba-Enredo: “Derrubando fronteiras, conquistando liberdade... Rio de paz em estado de graça! ”

Grande Rio - Samba-Enredo: “Das arquibancadas ao camarote nº1. Grande Rio – De emoção na apoteose do seu coração”.

Vila Isabel - Samba-Enredo: “Noel: A presença do poeta da Vila”.

Estação Primeira de Mangueira - Samba-Enredo: “Mangueira é musica do Brasil”.
 

São Paulo

12 de fevereiro de 2010 (sexta-feira)
Local: Sambódromo
Horário: a partir das 21 horas
 
Imperador do Ipiranga - Samba-Enredo: "Da antiguidade à tecnologia: medicina, a nobre arte de salvar vidas".

Leandro de Itaquera - Samba-Enredo: "Sob um manto de amor e paz, sou Leandro desfilando o vermelho e branco".

Acadêmicos do Tucuruvi - Samba-Enredo: "São Luís do Maranhão: um universo de encantos e magias".

Mancha Verde - Samba-Enredo: "Aos mestres com carinho! Mancha Verde ‘ensina’ como criar identidade!"

Unidos de Vila Maria - Samba-Enredo: "A indústria que manipula o ferro é a mãe de todas as outra ".

Rosas de Ouro - Samba-Enredo: "O cacau é show".

Vai-Vai - Samba-Enredo: "80 anos de arte e euforia. É bom no samba, é bom no couro ".

13 de fevereiro (sábado)
Local: Sambódromo
Horário: a partir das 21 horas
 
Águia de Ouro - Samba-Enredo: "Ribeirão Preto, região à frente do seu tempo".

Tom Maior - Samba-Enredo: "Do sonho à realidade. Uma homenagem aos 50 anos da capital do Brasil".

Mocidade Alegre - Samba-Enredo: "Da Criação do Universo ao Sonho Eterno do Criador... Sou espelho e me espelho em quem me criou".

X-9 Paulistana - Samba-Enredo: "Do além-mar, a herança Lusitana nos une... A herança lusitana nos une... Ora, pois! A X-9 é portuguesa com certeza".

Gaviões da Fiel - Samba-Enredo: "Corinthians... Minha vida, minha história, meu amor ".

Império da Casa Verde - Samba-Enredo: "Itu, fidelíssima terra de gigantes".

Pérola Negra - Samba-Enredo: "Vamos tirar o Brasil da gaveta".


Carnaval no Nordeste


O carnaval de rua também manteve suas tradições na região Nordeste do Brasil, destacando as cidades de Salvador, Recife e Olinda.

Salvador

O carnaval baiano é um dos mais tradicionais e animados do país. São seis dias de muita festa e alegria nas ruas de Salvador, com os seus blocos afros e afoxés seguindo o som dos trios elétricos em aproximadamente 25 quilômetros de circuito - Osmar (Avenida), Batatinha (Centro histórico) e Dodô (Barra-Ondina), atraindo milhares de turistas de outras regiões do país do e de todo mundo.
 
Blocos Afro - Grupo carnavalesco que resgata nas vestimentas, instrumentos musicais e sonoridade os principais aspectos da herança cultural africana. Destacam-se o Olodum e o Ileyaê, além do Afoxé Filhos de Gandhi.

Afoxé – É um som um típico do estado da Bahia. Dança-cortejo ligada ao candomblé, acontece geralmente na época do carnaval. Resgata os principais aspectos rítmicos, linguísticos e religiosos da cultura africana.
 
Trio Elétrico - Estrutura musical (sonorização, palco) montada em cima de grandes caminhões. Criação típica do carnaval baiano, anima a festa popular com a participação de músicos de axé. Os trios percorrem as ruas de Salvador arrastando com muita animação milhões de foliões. O trio elétrico mais popular do carnaval de Salvador é o Chiquete com Banana.
 
Axé music - Este gênero musical surgiu da união entre o afoxé, maracatu, forró e frevo. É um ritmo tipicamente baiano, muito presente na época do Carnaval, tendo atualmente como principais representantes as cantoras Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Cláudia Leite.
 

Recife e Olinda

Nessas cidades pernambucanas ao som do frevo e maracatu os foliões e os milhares de turistas se divertem em um dos maiores carnavais de rua do mundo.

Os desfiles de bonecos gigantes, são uma das principais atrações das festas momesmas  cidade durante o carnaval em Olinda.
 
 

Marchinhas de Carnaval


       Allah-Lá-ô


Haroldo Lobo-Nássara, 1940
 
Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô
 
Mas que calor, ô ô ô ô ô ô
Atravessamos o deserto do Saara
O sol estava quente
Queimou a nossa cara
 
Viemos do Egito
E muitas vezes
Nós tivemos que rezar
Allah! allah! allah, meu bom allah!
Mande água pra ioiô
Mande água pra iaiá
Allah! meu bom allah

       Cachaça

Mirabeau Pinheiro-Lúcio de Castro-Heber Lobato, 1953
 
Você pensa que cachaça é água
Cachaça não é água não
Cachaça vem do alambique
E água vem do ribeirão
 
Pode me faltar tudo na vida
Arroz feijão e pão
Pode me faltar manteiga
E tudo mais não faz falta não
Pode me faltar o amor
Há, há, há, há!
Isto até acho graça
Só não quero que me falte
A danada da cachaça
 

       Cabeleira do Zezé

João Roberto Kelly-Roberto Faissal, 1963
 
Olha a cabeleira do zezé
Será que ele é
Será que ele é
 
Será que ele é bossa nova
Será que ele é maomé
Parece que é transviado
Mas isso eu não sei se ele é
 
Corta o cabelo dele!
Corta o cabelo dele!


       A Jardineira


Benedito Lacerda-Humberto Porto, 1938
 
Ó jardineira porque estás tão triste
Mas o que foi que te aconteceu
Foi a camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu
 
Vem jardineira vem meu amor
Não fiques triste que este mundo é todo seu
Tu és muito mais bonita
Que a camélia que morreu
 
 

       Abre alas


Chiquinha Gonzaga, 1899
 
Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Eu sou da lira não posso negar
Eu sou da lira não posso negar
 
Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Rosa de ouro é que vai ganhar
Rosa de ouro é que vai ganhar
 
 

       Ô Balancê


Braguinha-Alberto Ribeiro, 1936
 
Ô balancê balancê
Quero dançar com você
Entra na roda morena pra ver
Ô balancê balancê
 
Quando por mim você passa
Fingindo que não me vê
Meu coração quase se despedaça
No balancê balancê
 
Você foi minha cartilha
Você foi meu ABC
E por isso eu sou a maior maravilha
No balancê balancê
 
Eu levo a vida pensando
Pensando só em você
E o tempo passa e eu vou me acabando
No balancê balancê
 
 

       Mamãe eu quero


Jararaca-Vicente Paiva, 1936
 
Mamãe eu quero, mamãe eu quero
Mamãe eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebe não chorar
 
Dorme filhinho do meu coração
Pega a mamadeira e vem entrá pro meu cordão
Eu tenho uma irmã que se chama Ana
De piscar o olho já ficou sem a pestana
 
Olho as pequenas mas daquele jeito
Tenho muita pena não ser criança de peito
Eu tenho uma irmã que é fenomenal
Ela é da bossa e o marido é um boçal
 
 

       O teu cabelo não nega


Lamartine Babo-Irmãos Valença, 1931
 
O teu cabelo não nega mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega mulata
Mulata eu quero o teu amor
 
Tens um sabor bem do Brasil
Tens a alma cor de anil
Mulata mulatinha meu amor
Fui nomeado teu tenente interventor
 
Quem te inventou meu pancadão
Teve uma consagração
A lua te invejando faz careta
Porque mulata tu não és deste planeta
 
Quando meu bem vieste à terra
Portugal declarou guerra
A concorrência então foi colossal
Vasco da gama contra o batalhão naval
 

       Me dá um dinheiro aí


Ivan Ferreira-Homero Ferreira-Glauco Ferreira, 1959
 
Ei, você aí!
Me dá um dinheiro aí!
Me dá um dinheiro aí!
 
Não vai dar?
Não vai dar não?
Você vai ver a grande confusão
Que eu vou fazer bebendo até cair
Me dá me dá me dá, ô!
Me dá um dinheiro aí!

       Saca-rolha

Zé da Zilda-Zilda do Zé-Waldir Machado, 1953)
 
As águas vão rolar
Garrafa cheia eu não quero ver sobrar
Eu passo mão na saca saca saca rolha
E bebo até me afogar
Deixa as águas rolar
 
Se a polícia por isso me prender
Mas na última hora me soltar
Eu pego o saca saca saca rolha
Ninguém me agarra ninguém me agarra
 
 

       Linda morena


Lamartine Babo, 1932
 
Linda morena, morena
Morena que me faz penar
A lua cheia que tanto brilha
Não brilha tanto quanto o teu olhar
 
Tu és morena uma ótima pequena
Não há branco que não perca até o juízo
Onde tu passas
Sai às vezes bofetão
Toda gente faz questão
Do teu sorriso
 
Teu coração é uma espécie de pensão
De pensão familiar à beira-mar
Oh! Moreninha, não alugues tudo não
Deixe ao menos o porão pra eu morar
 
Por tua causa já se faz revolução
Vai haver transformação na cor da lua
Antigamente a mulata era a rainha
Desta vez, ó moreninha, a taça é tua
 

       Aurora


Mário Lago-Roberto Roberti, 1940
 
Se você fosse sincera
Ô ô ô ô Aurora
Veja só que bom que era
Ô ô ô ô Aurora
 
Um lindo apartamento
Com porteiro e elevador
E ar refrigerado
Para os dias de calor
Madame antes do nome
Você teria agora
Ô ô ô ô Aurora.

 

 

 

Fonte: suapesquisa.com / wikipedia

 

 
 
 
Untitled Document
 Deixar um comentário
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
Fones: (77) 9 9962-1243 e 9 8827-5702
Editora Tribuna Popular LTDA - Avenida Presidente Castelo Branco, 96, Centro, Guanambi-Ba.