Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
NOTÍCIAS
Concursos
Copa do Mundo 2010
Política
Reportagem Especial
Policial
Regional
Estadual
Nacional
O Mundo
Economia
Educação
Meio Ambiente
Saúde
Esporte
Local
CANAIS
Alto Astral
Turismo
Reflexão
Dicas e Truques
Editais
Artigos
Parábola
Telefones Úteis
Eventos
Horóscopo
Culinária
Poesias
Piadas
Aniversariantes
Contas Públicas
LINK'S
Micks Informática
Vilson Nunes
Farol da Cidade
Joaquim José Show
Folha do Vale
Sudoeste Bahia
Blog Tiago Marques
Pref. de Guanambi
Alô Cidade
Lobo Mau
Blog do Latinha
Caetfest
Iguanambi
Twitter Trib.Popular
Face Tribuna Popular
REDEINTERSOFT.COM
a-Bahia.com
Portal Pindai
Portal Montes Claros
 
a a a
 
Greve prejudica nove mil estudantes no interior da Bahia
 
Sábado, 08 de Agosto de 2009  
 

Um grupo de pais e alunos da rede municipal de ensino de Barra do Choça, a 536 km de Salvador, saiu às ruas em protesto, nessa sexta-feira, 7, pedindo a suspensão da greve de 400 professores – de um total de 532, iniciada há um mês e que já inviabilizou 23 dias letivos, deixando 9,1 mil sem aulas na sede e zona rural. Com faixas, cartazes e um carro de som, os manifestantes reclamavam que a greve inviabilizou as férias e que será preciso repor as aulas em janeiro do próximo ano para completar o calendário escolar.

A representante da comissão de pais e alunos, Regina de Souza Araújo, declarou que o alunado tem sido o maior prejudicado na queda-de-braço entre sindicato e Prefeitura. “Enquanto essa situação não é resolvida as crianças ficam brincando na rua ou vendo TV em casa, sem qualquer atividade pedagógica”.

A mãe de aluno Rosenita Rosa de Morais, com três filhos matriculados no Centro Educacional de Barra do Choça, o maior do município, com cerca de 2,5 mil matriculados teme evasão escolar e inutilização da merenda como consequências imediatas.

“As mães bem que gostariam de ajudar os filhos com as tarefas até a greve acabar ou matricular em outras escolas, mas nem todas têm conhecimento ou condições financeiras. Também não existe um bom curso de reforço aqui na cidade e são poucas as mães que forçam o filho a estudar sozinho em casa, por isso não há como segurar os meninos em casa”, lamentou Maria Moura, outra mãe.

O passatempo predileto dos meninos é soltar pipa e andar de bicicleta na pracinha em frente ao colégio. As meninas preferem lan houses e uma minoria fica em casa, auxiliando as mães nas tarefas domésticas. “Eu não sei estudar sozinha, então eu tenho que esperar a greve terminar”, alega a aluna Cristina Brito.

PAUTA - A greve já estava sendo anunciada desde maio deste ano, quando o sindicato dos professores apresentou à Secretaria de Educação uma pauta reivindicando revisão do plano de carreira, ajuste da gratificação para diretor e vice, data-base para corrigir vantagens e reajuste salarial.

Após uma série de reuniões, o município acatou todos os itens da pauta, exceto o percentual de reajuste, que era de 30%, caiu para 25% e ficou em 20% a pedido dos sindicalistas. Em contrapartida o município ofereceu 8%, sendo 5.92 imediatamente, retroativo a maio e junho e o restante, 2.08% em fevereiro de 2010, o que não foi aceito.

Em assembléia nessa sexta-feira, a diretoria do Sindicato dos Professores de Barra do Choça (Simprobac) esteve reunida em assembléia e apresentou mais uma contraproposta, chegando a 15%. “A greve só terminará quando a Prefeitura atender as nossas reivindicações”, assinalou a diretora sindical, Márcia Oliveira.

Em assembléia nessa sexta-feira, a diretoria do Sindicato dos Professores de Barra do Choça (Simprobac) esteve reunida em assembléia e apresentou mais uma contraproposta, chegando a 15%. “A greve só terminará quando a Prefeitura atender as nossas reivindicações”, assinalou a diretora sindical, Márcia Oliveira.

Embora reconheça que o piso salarial adotado no município seja um dos melhores do País, Márcia alega que Barra do Choça recebe um repasse de, aproximadamente, R$15 milhões para a educação, sendo que desse montante, 60% devem ser aplicados na valorização do magistério.

O secretário municipal de Educação, Marcos Viana de Oliveira, por sua vez, disse que a administração chegou ao limite de negociação. “Não temos condições de oferecer mais do que o que já foi proposto pelo município”, disse “Aqui em Barra do Choça, um professor nível I recebe R$1,3 mil em regime de 40 horas, mas do que o piso nacional, de R$950,00 e o de nível II, cerca de R$1,9 mil, o dobro do piso”, argumentou.

Sem concordar com os argumentos, a categoria decidiu pela suspensão das aulas e, em 10 de julho a greve foi deflagrada em todas as 55 escolas da sede e da zona rural, com exceção de três unidades do interior, creches e o curso noturno do EJA - Educação de Jovens e Adultos.

Até então nenhuma aula foi ministrada no semestre. O calendário de reposição deve ser apresentado ao Conselho de Educação e à Secretaria, pelo sindicato, após o término do movimento grevista.

A pedagoga Joana Alice de Novaes, lista prejuízos que ela considera imediatos e até alguns irreversíveis na formação do estudante que é submetido a situações como uma greve de docentes, por exemplo. “casos como esse que nos é apresentado resulta, primeiramente, em atraso no aprendizado, repetência por causa da descontinuidade do ensino e até evasão escolar”.

A melhor forma para se recuperar o tempo perdido é, segundo a pedagoga, manter a mesma programação, sem alteração no cronograma do conteúdo didático. “Não se completa dias parados com atividades extraclasse, como trabalhos de pesquisa, gincanas, tarefas e apresentações teatrais, por exemplo. Aula perdida só se repõe com aula dada”, finaliza.

 

Juscelino Souza / A Tarde


 
 
Untitled Document
 Deixar um comentário
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
Fones: (77) 9 9962-1243 e 9 8827-5702
Editora Tribuna Popular LTDA - Avenida Presidente Castelo Branco, 96, Centro, Guanambi-Ba.