Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
NOTÍCIAS
Concursos
Copa do Mundo 2018
Política
Reportagem Especial
Policial
Regional
Estadual
Nacional
O Mundo
Economia
Educação
Meio Ambiente
Saúde
Esporte
Local
CANAIS
Alto Astral
Turismo
Reflexão
Dicas e Truques
Editais
Artigos
Parábola
Telefones Úteis
Eventos
Horóscopo
Culinária
Poesias
Piadas
Aniversariantes
Contas Públicas
LINK'S
Micks Informática
Vilson Nunes
Farol da Cidade
Joaquim José Show
Folha do Vale
Sudoeste Bahia
Agência Sertão
Pref. de Guanambi
Alô Cidade
Lobo Mau
Blog do Latinha
Caetfest
Iguanambi
Twitter Trib.Popular
Face Tribuna Popular
REDEINTERSOFT.COM
a-Bahia.com
Deputada Ivana Bastos
Portal Alô Pilões
 
a a a
 
Parada desde 2014, produção de urânio em Caetité será retomada este ano, diz estatal
 
Sexta, 31 de Agosto de 2018  
 

O governo tenta retomar ainda em 2018 a produção nacional de urânio, paralisada em 2014 após o esgotamento da mina de Caetité, no sudoeste baiano. Dono da sexta maior reserva mundial, o país vem gastando cerca de R$ 100 milhões por ano com a importação do minério para abastecer as usinas nucleares de Angra.

De acordo com o presidente da estatal INB (Indústrias Nucleares do Brasil), Reinaldo Gonzaga, uma nova mina no município baiano já está praticamente pronta para começar a operar, mas depende ainda de licenciamento. A expectativa é que a retomada da produção ocorra até o fim do ano.

"Neste momento, estamos trabalhando com a Cnen [Comissão Nacional de Energia Nuclear] para montar um cronograma e definir quando daremos partida na mina", disse Gonzaga, que inaugurou nesta quinta (30) ampliação da unidade de enriquecimento de urânio em Resende (RJ).

A nova mina tem capacidade para produzir 400 toneladas anuais, mesma capacidade da mina anterior. Após a mineração, o urânio é transformado em um pó chamado de "yellow cake", que passa pelo processo de enriquecimento para a produção do combustível nuclear.

O Brasil é um dos 12 países que detém tecnologia para enriquecer urânio, mas ainda importa grande parte de seu consumo. Após a etapa de ampliação inaugurada nesta quinta, a fábrica de Resende tem capacidade para enriquecer volume equivalente a 50% da recarga anual de Angra 1, a menor usina nuclear do país.

A primeira fase do programa de enriquecimento de urânio, que prevê a instalação de dez cascatas —sete delas já em operação —a capacidade chegará a 70% de Angra 1. A INB precisa, porém, de mais R$ 500 milhões para concluir o projeto, o que espera fazer até 2021.

Uma segunda fase, com a instalação de 33 cascatas, está orçada em R$ 2 bilhões, e garantiria o abastecimento todo o complexo nuclear de Angra sem depender de importações.

Gonzaga admite que a crise fiscal dificulta a aprovação dos recursos, mas defende que o enriquecimento de urânio no país gera "economia significativa" na produção com combustível nuclear.

O projeto considera o abastecimento de Angra 3, cujas obras estão paralisadas desde 2015 - atualmente, há um grupo de trabalho no governo estudando a retomada, que depende de aumento da tarifa de energia da usina.

"Pelas discussões que temos acompanhado e pela importância que a usina tem, estou bastante otimista [com a retomada]", afirmou o presidente do INB.

Por: Folhapress - Nicola Pamplona


 
 
Untitled Document
 Deixar um comentário
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
Fones: (77) 9 9962-1243 e 9 8827-5702
Editora Tribuna Popular LTDA - Avenida Presidente Castelo Branco, 96, Centro, Guanambi-Ba.