Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
NOTÍCIAS
Concursos
Copa do Mundo 2010
Política
Reportagem Especial
Policial
Regional
Estadual
Nacional
O Mundo
Economia
Educação
Meio Ambiente
Saúde
Esporte
Local
CANAIS
Alto Astral
Turismo
Reflexão
Dicas e Truques
Editais
Artigos
Parábola
Telefones Úteis
Eventos
Horóscopo
Culinária
Poesias
Piadas
Aniversariantes
Contas Públicas
LINK'S
Micks Informática
Vilson Nunes
Farol da Cidade
Joaquim José Show
Folha do Vale
Sudoeste Bahia
Blog Tiago Marques
Pref. de Guanambi
Alô Cidade
Lobo Mau
Blog do Latinha
Caetfest
Iguanambi
Twitter Trib.Popular
Face Tribuna Popular
REDEINTERSOFT.COM
a-Bahia.com
Portal Pindai
Portal Montes Claros
 
a a a
 
Amigos
 
Sábado, 18 de Julho de 2009  
 

Numa aldeia vietnamita, um orfanato dirigido por um grupo de missionários foi atingido por um bombardeio.

Entre os feridos estava uma menina de oito anos, considerada em pior estado. Era necessário fazer uma transfusão de sangue urgente, mas como?

Após alguns testes o médico e a enfermeira puderam perceber que ninguém ali possuía sangue compatível.

Reuniram as crianças e, tentaram explicar o que estava acontecendo: precisavam de um voluntário para doar sangue.

Depois de um silêncio sepulcral, viu-se um braço magrinho levantar-se timidamente.

Era um menino chamado Heng.Ele foi preparado às pressas ao lado da menina agonizante e espetaram-lhe agulha na veia.Ele se mantinha quietinho com o olhar fixo no teto.Passados alguns momentos, ele deixou escapar um soluço e tapou o rosto com a mão que estava livre.

O médico perguntou se estava doendo e ele negou.Mas não demorou muito a soluçar de novo, contendo as lágrimas.O médico ficou preocupado e fez-lhe novamente a pergunta, e novamente ele negou.

Os soluços ocasionais deram lugar a um choro silencioso, mas ininterrupto.Era evidente que alguma coisa estava errada.Foi, então que apareceu uma enfermeira vietnamita vinda de outra aldeia.O médico pediu para que ela procurasse saber o que estava acontecendo com Heng.

Com a voz meiga e doce, a enfermeira foi conversando com ele e explicando algumas coisas, e o rostinho do menino foi se aliviando.Minutos depois, ele estava novamente tranqüilo.A enfermeira então explicou:

-Ele pensou que ia morrer; não tinha entendido direito o que vocês disseram e estava achando que ia ter que dar todo seu sangue para a menina não morrer.

O médico aproximou dele e com a ajuda da enfermeira perguntou-lhe:

- Mas se era assim, por então você se ofereceu para doar o sangue?

O menino respondeu simplesmente

-Ela é minha amiga.

Autor: Desconhecido 
Colaboração: Vera Lúcia Silveira (Caetité)
 

 
 
Untitled Document
 Deixar um comentário
Jornal Tribuna Popular ::: Guanambi - BA :::
Fones: (77) 9 9962-1243 e 9 8827-5702
Editora Tribuna Popular LTDA - Avenida Presidente Castelo Branco, 96, Centro, Guanambi-Ba.